Barra de Vídeo

Loading...

domingo, 28 de setembro de 2014

CARREGA PORTO: CLÁSSICO DÁ EMPATE

SPORTING-FC PORTO, 1-1

Primeira Liga, 6ª jornada
Sexta-feira, 26 Setembro 2014 - 20:30
Estádio: José Alvalade, Lisboa
Assistência: 37.999

Árbitro: Olegário Benquerença (Leiria).
Assistentes: Ricardo Santos e Luís Marcelino.
4º Árbitro: Tiago Martins.

SPORTING: Rui Patrício, Cédric, Maurício, Sarr, Jonathan Silva, William Carvalho, Adrien, João Mário, Carrillo, Slimani, Nani.
Suplentes: Marcelo Boeck, André Martins, Montero (78' Slimani), Capel (65' Carrillo), Rosell, Paulo Oliveira, Carlos Mané (78' Adrien).
Treinador: Marco Silva.

FC PORTO: Fabiano, Danilo, Marcano, Martins Indi, Alex Sandro, Casemiro, Rúben Neves, Herrera, Quaresma, Jackson Martínez, Brahimi.
Suplentes: Andrés Fernández, Tello (46' Quaresma), Reyes (60' Casemiro), Evandro, Adrián López, Óliver Torres (46' Rúben Neves), Aboubakar.
Treinador: Julen Lopetegui.

Ao intervalo: 1-0.
Marcadores: Jonathan Silva (2'), Sarr (56' ag).
Disciplina: amarelo a Slimani (11'), Quaresma (19'), Maurício (23'), Cédric (44'), Nani (70'), Tello (88').

Graças a uma excelente segunda parte, em que dispôs de cinco ocasiões claras mas conseguiu apenas um golo, o FC Porto empatou no terreno do Sporting (1-1), em jogo da sexta jornada da Liga portuguesa. Tratou-se apenas de mais um clássico entre tantos outros em quase 121 anos de história do clube, que afinal de contas terminou com o resultado mais comum nas últimas épocas: nos últimos sete encontros no terreno dos lisboetas para a Liga, contam-se uma vitória do FC Porto, duas do Sporting e três empates.

As notícias das dificuldades dos Dragões no terreno do Sporting são assim algo exageradas, mas partem de um ponto de vista compreensível: a generalidade dos observadores exige que o FC Porto vença no campo dos adversários mais directos, enquanto que o mesmo não se passa em relação ao rival, que, em boa verdade, apenas conquistou dois campeonatos nacionais nos últimos 30 anos. Os azuis e brancos aceitam esta exigência de superioridade, mas também gostariam de contar com menos obstáculos para a atingir. Mais uma vez, num lance capital do encontro, em cima dos 90 minutos, o árbitro prejudica o FC Porto, perdoando uma grande penalidade ao Sporting e a expulsão do seu jogador Maurício. Mas já lá vamos.

A primeira parte foi muito difícil para o FC Porto, especialmente os primeiros 15 minutos. É sempre uma infelicidade sofrer um golo na madrugada do jogo, num lance em que o Sporting beneficia de uma arrancada feliz de Nani e do demérito dos Dragões, que perderam a bola a meio campo. Jonathan Silva abriu o marcador aos dois minutos - foi o primeiro golo sofrido em jogos oficiais num lance de bola corrida, esta época - e os lisboetas beneficiaram de mais dois lances perigosos no primeiro quarto de hora.

Com Marcano no lugar habitualmente ocupado pelo castigado Maicon no centro da defesa e Quaresma a regressar à titularidade na ala direita, os azuis e brancos foram-se recompondo com o passar dos minutos, terminando a primeira parte com mais posse de bola (53 por cento). Jackson lutou muito na frente e ainda introduziu a bola na baliza do Sporting, numa jogada em que estava fora de jogo, mas a dificuldade em ligar os lances ofensivos, face à pressão do adversário, foi notória. 

No segundo tempo, Lopetegui fez entrar Óliver Torres e Tello, saindo Rúben Neves e Quaresma, mas, mais importante do que isso, houve uma postura mais assertiva. Trocando melhor a bola e pressionando os adversários com mais agressividade, o FC Porto poderia ter empatado logo aos 49 minutos, com Jackson, isolado por Brahimi, a atirar contra Rui Patrício. No entanto, os desequilíbrios surgiam com muito mais facilidade no meio-campo do Sporting - menos pressionante - e, sete minutos depois, chegou o empate. Tello descobriu Danilo solto na direita e o cruzamento do brasileiro encontrou Sarr, que desviou para a própria baliza, quando tentava fechar a linha de passe.

À passagem da hora de jogo, Casemiro lesionou-se e o treinador do FC Porto foi forçado a queimar a última substituição de que dispunha, lançando Reyes para o meio-campo defensivo. As duas equipas encaixaram-se como até então não tinha sucedido e o tempo foi-se escoando sem que nenhuma criasse perigo, até ao minuto 79, em que Capel rematou á trave.

Porém, as três últimas grandes oportunidades para desfazer o empate foram todas azuis e brancas: Herrera, aos 82 minutos, forçou Rui Patrício a uma espectacular defesa; aos 89, um calcanhar de Jackson foi interceptado pelo braço de Maurício, num lance que deveria ter dado origem a grande penalidade e expulsão do brasileiro; por último, Tello, já nos descontos, num lance individual, atirou a centímetros do poste da baliza do Sporting. Os três pontos poderiam perfeitamente ter viajado para o Porto.

DECLARAÇÕES
Lopetegui: “Somos credores de uma vitória”

​Julen Lopetegui considerou injusta a igualdade a uma bola entre Sporting e FC Porto. O treinador dos Dragões reconheceu que a equipa sentiu “dificuldades” na primeira parte, mas realçou a “magnífica” resposta dada nos segundos 45 minutos. Pela terceira jornada consecutiva, deixa críticas à forma como são apitados os lances capitais nos jogos do FC Porto e acredita que os azuis e brancos já deixaram escapar seis pontos por “más decisões” das equipas de arbitragem.

“Sabíamos que o Sporting ia entrar forte, mas não esperávamos sofrer um golo tão cedo e daquela maneira. Sentimos dificuldades na primeira parte, mas a equipa reagiu de forma magnífica na segunda. Creio que somos credores de uma vitória e parece-me que há uma grande penalidade não assinalada a nosso favor no remate do Jackson Martínez”, afirmou Julen Lopetegui após o desafio com os lisboetas, no qual considera que os Dragões voltaram a ser prejudicados.

“Acusámos algum nervosismo, mas melhorámos muito com o desenrolar do jogo e julgo que seríamos o vencedor mais justo. Chegámos ao empate com muita atitude e determinação. Infelizmente, temos a sensação que deveríamos ter mais pontos, pois creio que já nos tiraram seis por más decisões. Estamos na luta e não nos preocupa como as coisas estão agora. O campeonato é longo e muito ainda vai acontecer. O importante é chegar ao fim no topo e vamos ver onde estamos em Maio”, acrescentou o técnico espanhol.

Já Danilo, que assumiu um papel decisivo no golo portista, considera que os Dragões reagiram bem à vantagem madrugadora da equipa de Alvalade e afirma que é muito cedo para fazer as contas do campeonato. “Sabíamos que seria um jogo difícil, mas não podemos sofrer um golo daquela maneira. Soubemos reagir e lutámos pela vitória, mas infelizmente não conseguimos. Foi um jogo entre duas grandes equipas, com grandes jogadores. Tivemos oportunidade de ganhar e é óbvio que não estamos satisfeitos com o empate, pois jogamos sempre para vencer. Ainda falta muito campeonato e tenho a certeza de que estaremos no topo brevemente, pois o plantel tem muitas opções e muita qualidade”.
fonte: fcporto.pt

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

MUSEU EM FESTA NOS 121 ANOS DO CLUBE

O Estádio do Dragão vai transformar-se num grande palco de festividade e convívio no 121.º aniversário do FC Porto, que se comemora a 28 de Setembro, dia também da celebração do primeiro ano de vida do Museu FC Porto by BMG. Motivos mais que suficientes para criar uma cadeia reactiva de intervenções culturais que promete agitar o mapa de lazer nesta data.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

MUSEU EM FESTA NOS 121 ANOS DO CLUBE

O Estádio do Dragão vai transformar-se num grande palco de festividade e convívio no 121.º aniversário do FC Porto, que se comemora a 28 de Setembro, dia também da celebração do primeiro ano de vida do Museu FC Porto by BMG. Motivos mais que suficientes para criar uma cadeia reactiva de intervenções culturais que promete agitar o mapa de lazer nesta data.

Uma vasta programação especial - que se estende, por antecipação, a sábado, resultando numa comemoração em todo o fim-de-semana -, está preparada para assinalar as duas efemérides, com animação multidisciplinar, performance artística, música ao vivo, teatro, vídeo e actividades pedagógicas, entre muitas outras surpresas, a marcarem uma agenda imperdível, dentro e fora (quando a festa invade a praça exterior…) do espaço do Museu.

Logo no dia 27 (sábado), o Museu vai funcionar em regime de horário alargado, através do conceito bynight (já implementado no Dia Internacional dos Museus), ou seja, entre as 10h00 e as 23h30. O Museu Caffé e a FC Porto Store associam-se a este prolongamento de horários e, por isso, sábado será mesmo perfeito para visitar, provar e levar uma recordação do mundo do Dragão.


Neste longo fim-de-semana de celebrações, as memórias do primeiro ano do Museu vão desfilar em imagens que contam a história do espaço onde está reunida toda a vida azul e branca. A programação também inclui momentos especiais para as crianças nos dois dias de festa: para além de oficinas pedagógicas e muitas brincadeiras de pedir e sorrir por mais, há bonecos e fantoches que vão ganhar vida e contadores de histórias capazes de nos encantar.

Para todas as idades, as visitas orientadas ao Museu também se destacam como eventos desportivos e culturais, definitivamente a não perder. Estas visitas vão decorrer em português e inglês e com duplicação de horários no sábado, Dia Mundial do Turismo. E também vão incluir a participação especial de figuras queridas do FC Porto nos dois dias de festa.

No domingo, dia do primeiro aniversário do Museu FC Porto e dos 121 anos do clube, cresce a onda programática, com mais animação, figuração, música e acções pedagógicas. Destaque, por exemplo, para uma visita especial ao Museu sob a orientação do historiador Joel Cleto. Sujeita a inscrição antecipada e a lotação máxima, será uma oportunidade única de percorrer os caminhos da história azul e branca. As novidades não ficam por aqui e continuarão a ser divulgadas nos próximos dias.

fonte: fcporto.pt

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

CARREGA PORTO: NULO FRENTE AO BOAVISTA

FC PORTO-Boavista, 0-0

Primeira Liga, 5ª jornada
Domingo, 21 Setembro 2014 - 21:00
Estádio: Dragão, Porto
Assistência: 31.209

Árbitro: Jorge Ferreira (Braga)
Assistentes: Inácio Pereira e Jorge Oliveira
4º Árbitro: Hugo Pacheco

FC PORTO: Andrés Fernández, Danilo, Maicon, Marcano, José Ángel, Rúben Neves, Herrera, Evandro, Brahimi, Jackson Martínez, Tello.
Suplentes: Fabiano, Martins Indi, Casemiro (46' Evandro), Quaresma (74' Tello), Quintero, Adrián López (82' Herrera), Aboubakar.
Treinador: Julen Lopetegui.

BOAVISTA: Mika, João Dias, Lucas Rocha, Philipe Sampaio, Carlos Santos, Tengarrinha, Anderson Carvalho, Miguel Cid, Beckeles, Zé Manuel, Anderson Correia.
Suplentes: Mamadou Ba, Brito (27' Carlos Santos), Fary, Diego Lima, Yoro Ly (89' Zé Manuel), Idris, Wei Shihao (63' Miguel Cid).
Treinador: Petit.

Ao intervalo: 0-0.
Marcadores: ---.
Disciplina: amarelo a Carlos Santos (18'), Tengarrinha (34'), Miguel Cid (61'), Lucas Rocha (66'), Zé Manuel (82'), Wei Shihao (88'), Mika (90+1'); vermelho directo a Maicon (25').


O FC Porto não foi além de um nulo frente ao Boavista, no encontro da quinta jornada da I Liga portuguesa de futebol. O dérbi, que já não se realizava há seis anos, pareceu destinado a ser adiado, face ao aguaceiro que se abateu sobre o Dragão e adiou o arranque do encontro por 45 minutos.
Julen Lopetegui promoveu seis alterações na equipa face ao jogo de quarta-feira: entraram na equipa José Ángel, Rúben Neves, Evandro, Tello e os estreantes em jogos oficiais Andrés Fernández e Marcano.
As condições não eram as ideais mas o relvado do Dragão é óptimo e resistiu muito bem ao mau tempo. O jogo começou tranquilo, o Boavista só vinha para defender. O FC Porto teve uma grande oportunidade aos quinze minutos, quando Tello ia isolar Brahimi mas a bola ficou bloqueada numa zona que estava em pior condições. No minuto 25 da  primeira parte chegou o momento do jogo, Maicon tem uma entrada dura sobre o adversário e é expulso.
A equipa azul e branca entrou melhor na segunda parte e criou algumas oportunidades. O tempo passava e a ansiedade ia crescendo. A equipa lutou mas faltou jeito para fazer o golo e o jogo acabou mesmo empatado.
O FC Porto prossegue o seu caminho na próxima sexta-feira frente ao Sporting, no Estádio de Alvalade num jogo determinante para a carreira dos portistas na Liga Portuguesa.

DECLARAÇÕES
Lopetegui: “Fizemos um esforço sensacional”

Julen Lopetegui considerou injusto o empate a zero diante do Boavista, num jogo em que os Dragões se viram em inferioridade numérica desde os 25 minutos, por expulsão de Maicon. O treinador portista elogiou a atitude e o trabalho da sua equipa, mas sublinhou que “jogar com dez jogadores é sempre difícil”.

“Não estou arrependido das opções que tomei e creio que fizemos uma exibição de grande esforço, com uma grande atitude. Criámos boas oportunidades de golo que deveríamos ter concretizado, mas infelizmente não o conseguimos. Fizemos um esforço sensacional a jogar com dez jogadores, uma situação que é sempre difícil, mas soubemos reorganizar-nos e fizemos coisas muito boas”, declarou Julen Lopetegui na conferência de imprensa que se seguiu ao desafio com os boavisteiros.

O técnico dos Dragões lamentou o exagero do cartão vermelho directo mostrado a Maicon, que não acredita que “tenha tido intenção de magoar ou agredir o jogador do Boavista”. Naquele que foi o segundo empate consecutivo do FC Porto no campeonato, Julen Lopetegui sublinha que a sua equipa fez por merecer a vitória em ambos os jogos. “Não gostamos de perder pontos e fizemos dois grandes jogos, que injustamente não conseguimos vencer”. Infelizmente, isto também é futebol”, concluiu.

Brahimi: "Tínhamos de fazer um pouco mais"

Em flash-interview após o empate (0-0) deste domingo, com o Boavista, Brahimi referiu que a equipa sabia que a partida ia ser complicada e que os jogadores não foram "capazes de encontrar a solução para marcar". O camisola oito dos portistas referiu ainda que a equipa quer "ir a Lisboa fazer um bom resultado", na próxima jornada, frente ao Sporting.

"Sabíamos que ia ser complicado. Não fomos capazes de encontrar a solução para marcar. Temos de continuar a trabalhar e ir a Lisboa fazer um bom resultado. Estamos tristes porque queríamos ganhar e só empatámos". Em relação ao Boavista, o internacional argelino referiu que defendeu "muito bem" e que é uma "boa equipa".

Quanto à expulsão de Maicon, aos 25 minutos, Brahimi foi lacónico: "Para mim não era cartão vermelho. Mas tínhamos de fazer um pouco mais para ganhar".

terça-feira, 16 de setembro de 2014

MUSEU COLOCA ESTÁDIO DO DRAGÃO NO CALENDÁRIO DO MUNDO

Programação cultural e pedagógica de Outubro do Museu FC Porto by BMG também celebra efemérides

Cultura, animação e actividades pedagógicas fazem parte da agenda de programação do Museu FC Porto by BMG para Outubro, um mês que vai associar o Dragão a importantes efemérides internacionais. Logo no dia 1, várias propostas artísticas vão assinalar o Dia Mundial da Música no Museu, e no dia 5, as sessões de “Música com Dragõezinhos”, êxito com a chancela do Serviço Educativo, coincidem na perfeição com mais uma data internacional, o Dia do Professor.

No dia 6, a celebração do Dia Mundial da Arquitectura vai inspirar as visitas ao Museu e ao Estádio do Dragão. A magia das “Histórias para Dragões e Dragõezinhos”, sempre refrescadas e acompanhadas por deliciosos bonecos e mascotes, voltará no dia 25 à Terra do Dragão, espaço nobre do Serviço Educativo.

Para mais informações e marcações, contacte 225 570 418225 570 418/9, o endereço servicoeducativo.museu@fcporto.pt ou visite a área Museu FC Porto.


PROGRAMAÇÃO

Dia 1 – Dia Mundial da Música

O Museu FC Porto by BMG assinala esta efeméride com programação que inclui actuações e animação diversa ao longo do dia. A música vai estar presente em todo o espaço e acentuar as sensações únicas provocadas pela descoberta da história azul e branca e pelas grandes conquistas do Dragão.

Idades: Todas
Horários: 10h00 às 19h00

Dia 5 – Música com Dragõezinhos*

Duas sessões de concertos que se realizam nas manhãs dos primeiros domingos de cada mês na Terra do Dragão, espaço nobre do Serviço Educativo do Museu FC Porto, em parceria com a Trupe Sons em Cena. No ambiente rico de “Música com Dragõezinhos”, onde as histórias contadas e os sons são elementos de magia, conhecimento e sociabilização, o Indy, a Tânia e o Lipe conduzem uma experiência para todas as crianças até aos 4 anos de idade.

Idades: 0-4 anos
Horários: 10h30 e 11h30
Duração: 50 minutos

Preço: 7,50 euros por criança + acompanhante. Acompanhante extra: 2,50 euros.

Dia 6 – Dia Mundial da Arquitectura

Este dia (assinalado sempre na primeira segunda-feira de Outubro) é ainda mais inspirador para conhecer o Estádio do Dragão, projectado pelo arquitecto Manuel Salgado e a acumular importantes prémios e vitórias desde 2003. As visitas começam no Museu FC Porto by BMG, mais um exemplo de obra onde a arquitectura e a tecnologia provocam o espanto ao longo de mais de cem anos de história azul e branca para contemplar.

Idades: Todas
Horários: Visitas orientadas ao Estádio do Dragão às 15h00, 16h00 e 17h00
(inseridas no horário de funcionamento do Museu FC Porto, aberto às segundas-feiras das 14h30 às 19h00).
Duração: 50 minutos
Preço: Consultar tabela geral de preços Tour Museu + Estádio e Tour Estádio.


Dia 25 – Histórias para Dragõezinhos e Dragões*

Era uma vez… um universo cheio de chamas mágicas, onde cabem dragões, princesas, vitórias e muitas outras histórias. Deixa-te levar nas asas do Dragão para extraordinárias aventuras azuis e brancas saídas do “Baú do Contador” que o anfitrião Rui Ramos traz novamente ao Museu FC Porto.

Idades: 3 - 10 anos
Horário: 16h00
Duração: 50 minutos
Preço: 7,50 euros por criança + acompanhante. Acompanhante extra: 2,50 euros.

*NOTA: Esta actividade não inclui visita ao Museu FC Porto e ao Estádio do Dragão. Informamos que a actividade está sujeita a inscrição prévia, a pagamento antecipado e a lotação máxima.

fonte: fcporto.pt

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

CARREGA PORTO: BAPTISTA, ROUBO E COMPANHIA LDA.

Guimarães-FC PORTO, 1-1

Primeira Liga, 4ª jornada
Domingo, 14 Setembro 2014 - 17:00
Estádio: D. Afonso Henriques, Guimarães
Assistência: 25.358

Árbitro: Paulo Baptista (Portalegre).
Assistentes: José Braga e Valter Rufo.
4º Árbitro: João Pinheiro.

V. GUIMARÃES: Douglas, Bruno Gaspar, Defendi, João Afonso, Traoré, Cafú, André André, Bernard, Hernâni, Tomané, David Caiado.
Suplentes: Assis, Josué, Jonatan Álvez, Bruno Alves (75' Hernâni), Knezevic, Gui (67' David Caiado), Bouba Saré (90+2' Bernard).
Treinador: Rui Vitória.

FC PORTO: Fabiano, Danilo, Maicon, Martins Indi, José Ángel, Casemiro, Rúben Neves, Herrera, Quintero, Jackson Martínez, Brahimi.
Suplentes: Andrés Fernández, Marcano, Quaresma, Tello (64' Quintero), Evandro (54' Rúben Neves), Ricardo, Aboubakar (90' Herrera).
Treinador: Julen Lopetegui.

Ao intervalo: 0-0.
Marcadores: Jackson Martínez (61' pen), Bernard (69' pen).
Disciplina: Bruno Gaspar (60'), Maicon (64'), Tomané (64'), Evandro (68'), Jackson Martínez (69'), Gui (76'), Casemiro (81'), Bernard (90+2').

Um FC Porto que nunca deixou de procurar a vitória, empatou ontem 1-1 com o Vitória de Guimarães. À quarta jornada da Liga, os Dragões perdem os primeiros pontos, mas o triunfo seria merecido pela qualidade e coragem colocadas em campo, sobretudo na 2ª parte. O principal motivo do FC Porto não sair de Guimarães com os 3 pontos foi sem sombra de dúvida devido à equipa de arbitragem que funcionou como mais um naipe de jogadores da equipa da Cidade-berço.
O FC Porto entrou mal na 1ª parte. Ambas as equipas entraram de forma calculista. O FC Porto não conseguiu fazer o seu jogo com variações de flanco e com a bola controlada desde a sua área. Os vimaranenses procuram por todos os meios anular o jogo do FC Porto e este não encontrou forma de se soltar. Na primeira parte, os vimaranenses criaram uma única ocasião de perigo, num pontapé de canto em que Fabiano deveria ter saído ao lance, permitindo que um avançado contrário rematasse com pouca convicção para as mãos do guarda-redes portista. O FC Porto teve uma clara oportunidade por Brahimi que isolado perante Douglas rematou contra o guarda-redes contrário.
Aos 32 minutos, o jogo foi interrompido devido a confrontos entre os adeptos do Vitória de Guimarães e a polícia.
Depois de marcar um golo por Jackson Martínez de penálti a castigar um derrube claro a Brahimi aos 61 minutos, os azuis e brancos viram o adversário chegar à igualdade, aos 69 minutos com a ajuda preciosa da equipa da arbitragem. Daí para a frente, o FC Porto não deixou de carregar sobre o adversário, reforçando um domínio territorial que até aí já tinha sido seu. De resto, a segunda parte focou marcada por Paulo Baptista e equipa de arbitragem. Para além da anulação de um penálti a favor do FC Porto por clara obstrução a Quintero na área adversária; o árbitro auxiliar anulou um golo limpo a Brahimi aos 72 minutos, num fora de jogo inexistente. Num só jogo a equipa de arbitragem tem 3 erros gravíssimos com clara influência no resultado final.
Aos 84 minutos, Jackson chegou ligeiramente atrasado a um cruzamento de Evandro e perdeu a última possibilidade clara de fazer o 2-1. O empate foi mesmo o resultado final, mas o FC Porto mantém a liderança na Liga (dez pontos), a par de Rio Ave, Benfica e Vitória de Guimarães.

DECLARAÇÕES
Lopetegui: “Merecíamos a vitória”


Julen Lopetegui considera que o empate a uma bola entre Vitória de Guimarães e FC Porto foi penalizador para os Dragões. Na óptica do treinador portista, os azuis e brancos foram “claramente superiores” ao seu adversário e criaram as “melhores oportunidades” de golo, mas o fraco desempenho da equipa de arbitragem também contribuiu para o insucesso.

“É difícil marcar um golo válido e não o validarem, e também me parece haver uma grande penalidade sobre o Brahimi que não foi assinalada. Fomos a melhor equipa em campo e criámos oportunidades suficientes para vencer uma boa equipa, que nos soube criar dificuldades. O Vitória de Guimarães não me surpreendeu, mas as melhores oportunidades foram nossas. Os árbitros são humanos e também se equivocam, mas espero que não se equivoquem tanto no futuro. Creio que fomos claramente superiores e que merecíamos a vitória, mas o futebol é mesmo assim”, afirmou Julen Lopetegui após o desafio com os vimaranenses.

Jackson: “Defrontámos uma boa equipa”

​O quinto golo de Jackson Martínez em quatro jornadas não foi suficiente para ajudar o FC Porto a vencer em Guimarães, mas o avançado colombiano, que marcou no seu 100.º jogo oficial de Dragão ao peito, considera que os azuis e brancos defrontaram uma equipa de qualidade, que “trabalhou muito bem”.

“Defrontámos uma boa equipa, que trabalhou muito bem. Sentimos muitas dificuldades e não tivemos muitos espaços para explanar o nosso futebol. Não podemos pensar que há equipas que trabalham menos do que nós e temos de respeitar todos os adversários. Foi pena não termos conseguido conquistar os três pontos. É óbvio que ainda temos coisas para melhorar, mas cada jogo tem uma história diferente. Fiquei feliz por marcar, mas triste por não ter ajudado a minha equipa a vencer”, declarou o capitão portista.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

CAMPAÑA: “VIM PARA SER CAMPEÃO”

Médio espanhol emprestado pela Sampdoria já falou como jogador do FC Porto

No mesmo dia em que cumpriu o primeiro treino de Dragão ao peito, José Campaña falou pela primeira vez como reforço dos Dragões para 2014/15, cedido a título de empréstimo pelos italianos da Sampdoria. Destacando o papel decisivo de Julen Lopetegui na sua vinda para o FC Porto, o novo camisola 22 acredita que vai sentir-se “em casa” num clube em que quer conquistar títulos.

“Sabia que não ia ter muitas oportunidades para jogar na Sampdoria e o facto de Julen Lopetegui me conhecer foi fundamental para vir para o FC Porto. Trabalhámos juntos nas selecções jovens de Espanha e ele já sabe do que sou capaz. Pode tirar o melhor de mim e acredito que posso render muito com ele”, afirmou o médio espanhol de apenas 21 anos, conhecedor da sua nova realidade: “O FC Porto é um clube com uma grande história e luta todos os anos pela conquista de títulos”.

Assumindo que não tem uma “posição preferida” no terreno de jogo, José Campaña diz-se preparado para “jogar onde o treinador entender”. Duas vezes campeão europeu de Sub-19 (2011 e 2012), a última das quais como capitão da equipa comandada por Julen Lopetegui (que o convocaria ainda para o Mundial Sub-20, em 2013), o médio acredita que vai adaptar-se rapidamente. “Conheço os jogadores espanhóis que já cá estavam e isso vai ajudar-me a integrar o mais rápido possível, mas não tenho dúvidas de que vou sentir-me em casa”.

José Campaña caracteriza-se como “um jogador de trabalho” e revela que gosta de “subir no terreno” para tentar a sua sorte. Depois de passagens por Sevilha (Espanha), Crystal Palace (Inglaterra), Nuremberga (Alemanha) e Sampdoria (Itália), José Campaña escolheu o Dragão para dar um novo brilho à carreira. “Vou lutar por um lugar e trabalhar todos os dias para evoluir enquanto pessoa e jogador. Como é natural, vim para o FC Porto para ser campeão e ir o mais longe possível na UEFA Champions League, uma competição na qual somos recordistas de presenças”, concluiu o médio, em declarações exclusivas ao Porto Canal e www.fcporto.pt.
fonte: fcporto.pt

JOSÉ CAMPAÑA REFORÇA FC PORTO

A Sampdoria oficializou no site oficial o empréstimo do médio José Campaña ao F. C. Porto. O jogador espanhol atua no meio-campo, é um médio de ligação e é bem conhecido do treinador Julen Lopetegui.

No último dia do mercado de transferências, os dragões asseguram dois jogadores, porque já tinham oficializado o brasileiro Otávio (ex-Internacional).

Em Espanha, Campaña atuou no Sevilha.
fonte: jn.pt

OTÁVIO: “O FC PORTO É UMA DAS GRANDES EQUIPAS DA EUROPA”

Brasileiro de 19 anos chega do Internacional de Porto Alegre e assinou por cinco temporadas

Otávio, médio de 19 anos proveniente do Internacional de Porto Alegre, do Brasil, assinou esta segunda-feira pelo FC Porto até 2019, com uma cláusula de rescisão de 50 milhões de euros. Apresentando-se como um jogador de “raça, com bastante velocidade e poder de drible”, o brasileiro afirmou, em declarações ao Porto Canal e a www.fcporto.pt, que espera “ajudar a equipa a conquistar títulos”.

“Estou muito feliz. O FC Porto é uma das grandes equipas da Europa e sempre foi o meu sonho jogar aqui na Europa, ainda mais no FC Porto, que eu sempre acompanhei bastante. Espero ajudar a equipa a conquistar títulos e a ganhar o maior número de jogos possível”, disse Otávio.

Definindo-se como um jogador que gosta de “fazer golos e dar assistências” aos colegas, Otávio assumiu que poder jogar a UEFA Champions League também foi factor decisivo ao assinar pelos Dragões: “O mesmo sonho de jogar no FC Porto era o mesmo de jogar na Liga dos Campeões. Espero ajudar bastante o meu novo clube”.

O jogador, que vai envergar a camisola 17, disse também sentir-se preparado para o novo desafio que o aguarda ao serviço dos azuis e brancos: “Pude jogar com vários jogadores e ganhar bastante experiência no Internacional de Porto Alegre, clube em que joguei durante três anos no escalão sénior. Espero ganhar experiência aqui também”.

fonte: fcporto.pt

terça-feira, 2 de setembro de 2014

CARREGA PORTO: PERSISTÊNCIA PARA QUEBRAR O RECORDE

FC PORTO-Moreirense, 3-0

Primeira Liga, 3ª jornada
Domingo, 31 Agosto 2014 - 18:00
Estádio: Dragão, Porto
Assistência: 35.509

Árbitro: Bruno Esteves (Setúbal).
Assistentes: Rui Teixeira e Mário Dionísio.
4º Árbitro: Iancu Vasilica.

FC PORTO: Fabiano, Danilo, Maicon, Martins Indi, José Ángel, Casemiro, Brahimi, Óliver Torres, Ricardo Quaresma, Jackson Martínez, Adrián López.
Suplentes: Andrés Fernández, Ivan Marcano, Quintero (84' Óliver Torres), Evandro, Herrera (75' Ricardo Quaresma), Ricardo, Rúben Neves (66' Casemiro).
Treinador: Julen Lopetegui.

MOREIRENSE: Marafona, Paulinho, Danielson, Marcelo, André Marques, Filipe Melo, André Simões, João Pedro, Arsénio, Alex, Edivaldo.
Suplentes: Gideão, Anilton, Diogo Cunha, Jorge Monteiro (76' Arsénio), Cardozo (67' Alex), Vítor Gomes (6' Edivaldo), Gerso.
Treinador: Miguel Leal.

Ao intervalo: 0-0.
Marcadores: Óliver Torres (70'), Jackson Martínez (82'), Jackson Martínez (87').
Disciplina: Danielson (6'), André Marques (53'), Marcelo (85').

Depois de uma primeira parte desinspirada, em que faltou velocidade e qualidade na circulação de bola, uma segunda parte a nível francamente superior catapultou o FC Porto para uma vitória contra um aguerrido conjunto do Moreirense, por 3-0, neste domingo. Mantendo a baliza de Fabiano inviolada, o conjunto liderado por Lopetegui bateu mesmo um recorde: os Dragões não sofreram golos nos cinco primeiros jogos da temporada, algo inédito na história do clube, ultrapassando o arranque de Villas-Boas, em 2010/11.

O desafio iniciou-se numa toada lenta, sem que os Dragões conseguissem imprimir uma grande velocidade à circulação de bola. O FC Porto não conseguia encontrar espaços na bem montada muralha da equipa de Moreira de Cónegos e, para além disso, falhava muitos passes em zonas adiantadas do terreno. Entre os 20 e os 30 minutos, os Dragões criaram quatro boas oportunidades para inaugurar o marcador, no que foi o melhor período dos orientados por Lopetegui na primeira parte: Danilo (por duas vezes), José Ángel (após jogada estudada num canto) e Brahimi (que não recebeu um passe de Jackson nas melhores condições) não conseguiram dar o melhor seguimento aos lances.

Foi, no entanto, “sol de pouca dura”: o Moreirense conseguiu voltar a equilibrar a partida, remetendo os Dragões às trocas de bola à saída do seu meio-campo e impedindo que conseguissem chegar com perigo à baliza guardada por Marafona. A primeira metade terminou com um remate de Danilo, por cima.

Ciente de que este resultado não interessava, o FC Porto entrou na segunda metade com vontade de mandar mais no jogo e de colocar mais pressão na defensiva do Moreirense. Aos 52 minutos, Adrián deu “voz” a essa intenção, com um remate por cima da baliza, seguido por uma bola na barra de Jackson Martínez a um canto de Quaresma e de um remate de Danilo no seguimento de um canto (67m). Sentindo que o meio-campo não estava a render o expectável, Lopetegui trocou Casemiro por Rúben Neves e foi ele quem começou a jogada do 1-0: passe longo para Quaresma, que descobriu Brahimi no meio da área e o argelino cruzou para conclusão fácil de Óliver Torres ao segundo poste (70m).

Faltava ainda aparecer Jackson Martínez na partida e o colombiano deixou a sua magia para os últimos 10 minutos do jogo. Aos 82m, aproveitando uma saída em falso do guarda-redes Marafona (lance em que Óliver Torres acaba por sair lesionado), deu o melhor seguimento a um cruzamento de José Ángel , com um cabeceamento que selou o seu 64.º golo ao serviço do FC Porto, no jogo 50 que realizou no Estádio do Dragão. Quintero, aos 86m, ainda falhou um penálti, a castigar falta na área sobre o mesmo Jackson Martínez – mas a noite não ia terminar sem mais um golo: Jackson Martínez aproveitou um passe de Adrián López, aos 87m, para rematar à entrada da área, sem hipóteses para Marafona, sentenciando o 3-0 final.
Com João Moutinho, antigo jogador dos Dragões, a assistir no camarote presidencial, o FC Porto atinge assim uma série de cinco encontros sempre a vencer e sem sofrer golos, ultrapassando o recorde da equipa liderada por André Villas-Boas de 2010/11 e demonstrando que os adeptos portistas podem sonhar com esta equipa.​

DECLARAÇÕES
Lopetegui: “Moreirense obrigou-nos a trabalhar muito”
No final da partida que terminou com a vitória do FC Porto sobre o Moreirense (3-0), Julen Lopetegui definiu a vitória dos azuis e brancos como clara, acrescentando que foi “um jogo muito difícil”, contra uma equipa que “obrigou” o FC Porto a “trabalhar muito”.

O técnico espanhol disse não estar surpreendido com as dificuldades encontradas na primeira metade do jogo, demonstrando várias razões para o sucedido: “Durante os 90 minutos de cada jogo temos de trabalhar, amadurecer, criar e encontrar espaços. Foi um jogo complicado, porque isto é futebol profissional, porque ninguém dá nada a ninguém e tudo o que se passou na segunda parte também foi possível pelo que fizemos na primeira parte”. Lopetegui definiu ainda o jogo com o Moreirense como “muito difícil”: “Não há jogos fáceis no futebol. Tivemos pela frente uma equipa que nos obrigou a trabalhar muito e que defendeu bem. Creio que a vitória foi justa e que merecemos vencer por 3-0”.

Afirmando que a entrada de Rúben Neves adveio de uma necessidade de refrescar o meio-campo, por Casemiro ter feito “quatro jogos em 10 dias” e à vontade de ter um jogador que imprimisse “mais ritmo”, Lopetegui falou de um plantel dos Dragões com várias soluções: “Procuramos soluções diferentes para jogos diferentes. Temos um plantel em que podemos usar vários jogadores, para jogos diferentes, mantendo sempre a mesma matriz. Penso que somos uma equipa muito fácil de definir. Tentamos, sempre, melhorar a nossa resposta ofensiva e defensivamente consoante as situações”.

Lopetegui recusou dar importância à estrutura de capitães do FC Porto - “não estou habituado a muitos capitães: o capitão é o Jackson e ponto final” – e falou da “nota negativa e triste do dia”: a lesão de Óliver Torres, na jogada que deu o 2-0 ao FC Porto. “Esperemos que não esteja demasiado tempo parado. É uma baixa importante que esperamos recuperar o mais rapidamente possível. Tentaremos encontrar soluções numa posição em que estamos um pouco “justos”.”

Jackson Martínez: “Estamos todos de parabéns”
Quatro golos em três jogos. Jackson Martínez continua com a pontaria afinada no campeonato e bisou no triunfo sobre o Moreirense (3-0), o terceiro consecutivo dos Dragões na prova. Eleito o MVP pelos adeptos, o capitão portista divide o prémio pelos companheiros e destaca o mais importante: a conquista dos três pontos.

“Estou feliz pelos golos, mas ainda mais pela vitória. Tivemos uma grande atitude e conquistámos três pontos muito difíceis. O Moreirense é uma equipa muito boa e vai fazer um excelente campeonato. Os prémios individuais são resultado do trabalho colectivo e dedico aos meus companheiros a eleição de MVP neste jogo. Foi uma vitória de todos e estamos todos de parabéns”, afirmou o camisola nove, momentos depois de receber o prémio de jogador mais valioso do desafio com a formação de Moreira de Cónegos.

Adrián López: “O mais importante foi a vitória”
Em estreia absoluta no Estádio do Dragão em termos oficiais, Adrián López assistiu Jackson Martínez para o último golo da tarde. O avançado espanhol salientou a importância e desvalorizou o facto de ainda não ter marcado de azul e branco.

“Queríamos conquistar os três pontos, que eram importantíssimos. Foi um jogo complicado e sentimos muitas dificuldades na primeira parte, mas na segunda melhorámos e conseguimos finalmente fazer golos. Estou feliz por termos conseguido mais uma vitória na minha estreia oficial no Estádio do Dragão. Não fiquei chateado por não marcar, pois o mais importante foi a vitória”, declarou Ádrián López.

José Ángel: “Vitória dedicada aos adeptos”
José Ángel, que cumpriu os primeiros 90 minutos oficiais de Dragão ao peito, sublinhou o ambiente do recinto portista e ofereceu a vitória aos adeptos, incansáveis a empurrar a equipa para a conquista dos três pontos.

“Estou satisfeito pela vitória e creio que fiz uma exibição positiva. Mudámos para melhor na segunda parte e com isso vieram os golos. Foi fantástico jogar no Estádio do Dragão e o mais importante é que conseguimos vencer e dar essa alegria aos nossos adeptos, que nos apoiaram sempre”.
fonte: fcporto.pt