Barra de Vídeo

Loading...

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

CARREGA PORTO: É ISSO PORTO

FC Porto-Feirense, 2-0
Liga, 20.ª jornada
26 de Fevereiro de 2012
Estádio do Dragão, no Porto
Assistência: 34.229 espectadores

Árbitro: João Ferreira (Setúbal)
Árbitros assistentes: Luís Ramos e Pais António
Quarto árbitro: André Gralha

FC PORTO: Helton; Sapunaru, Rolando, Maicon e Alvaro; Fernando, Lucho e João Moutinho; Hulk (cap.), Janko e Varela
Substituições: Varela por James (29m), Sapunaru por Djalma (66m) e João Moutinho por Defour (77m)
Não utilizados: Bracali, Rodríguez, Alex Sandro e Otamendi
Treinador: Vítor Pereira

FEIRENSE: Paulo Lopes; Pedro Queirós, Varela, Luciano (cap.) e Serginho; Sténio e Cris; Miguel Pedro, Hélder Castro e Diogo Cunha; Buval
Substituições: Miguel Pedro por Bamba (71m), Diogo Cunha por Fonseca (77m) e Cris por Thiago Freitas (85m)
Não utilizados: Douglas, Anderson, Stopira e André Fontes
Treinador: Quim Machado

Ao intervalo: 0-0
Golos: Maicon (67m) e James (72m)
Cartão amarelo: Miguel Pedro (42m), Hélder Castro (44m), Fonseca (78m)
Cartão vermelho: Luciano (57m)

A dois ritmos, separados pelo intervalo, e a dois golos, apontados por Maicon e James, o campeão retomou o seu lugar natural. De novo na condição de líder, depois de um jogo de paciência e posterior aceleração, que incluiu o desperdício de uma grande penalidade, o FC Porto desmontou a resistência feirense e apresentar-se-á na Luz na condição que melhor lhe assenta. É outra vez primeiro.
Com a reocupação do primeiro lugar ao alcance de um golo, o campeão procurou a vantagem desde o primeiro instante, mas preferindo um processo de paciência e método, que então ficou a dever algo ao génio e muito à velocidade. Não sendo total, o assalto foi gerido num ritmo intermédio, mas p
ersistente, procurando gerar e detectar falhas na estratégia ultradefensiva do opositor, que encurtava espaços na aproximação extrema das linhas, ao ponto de gerar a sensação de que uma não era muito mais do que a extensão da outra.
É, no entanto, errado concluir que o Feirense se limitou a ver jogar. Também jogou, mas mantendo como prioridade negar a essência do jogo. Aos poucos, Hulk redescobriria espaço. Para si e para Janko, que deixava de ser a única referência na área adversária. Dois remates cruzados do brasileiro falharam o alvo por pouco e os devidamente enquadrados esbarraram na inspiração de Paulo Lopes, que negou a James a mais flagrante oportunidade de golo, já com o intervalo a chegar.
A segunda parte começou como acabara a primeira: com o guarda-redes do Feirense a evitar a vantagem portista. Agora, a remate de Janko, à meia-volta e a cruzamento de Alvaro. O assédio obedecia então a outro balanço e não tardou muito para o austríaco voltar a ter tudo para marcar, cabeceando com tudo mas sem êxito. Na alucinante sucessão de oportunidades, Hulk teve a bola na marca de penálti, mas falhou a transformação, enquanto Paulo Lopes reforçava a condição de uma das figuras da noite.
Da falta óbvia sobre Janko, sancionada com o merecido castigo máximo, não resultou golo, mas redundou na correspondente expulsão de Luciano, dado que acentuaria a torrente ofensiva dos Dragões. Na verdade, o final tinha sido simplesmente adiado, para ser escrito no espaço de cinco minutos, o tempo que mediou entre o primeiro e o segundo golo do novo líder, que retomou o seu lugar, depois dos golos de Maicon e James. O primeiro pelo central, de cabeça, o segundo a remate do avançado, ainda que desviado no corpo de um adversário. Aos 67 e aos 72 minutos. E tinha sido James a assistir Maicon, ao cobrar um livre na esquerda.
Num final já bem longe de fazer justiça à produção atacante dos Dragões, o FC Porto partilhava, com a vantagem de deter a melhor diferença entre golos marcados e sofridos, a primeira posição com o Benfica, o adversário de sexta-feira, com quem divide o melhor ataque da prova, mas apresentando um registo defensivo de menos três golos sofridos.


sábado, 25 de fevereiro de 2012

LIGA FERTIBERIA: DEPORTIVO DE LA CORUÑA 12-11 FC PORTO VINTAGE


Cinco golos de Rui Barros e outros tantos de Capucho não bastaram para evitar a derrota da equipa Vintage do FC Porto, que perdeu, por 12-11, na noite desta sexta-feira, na Corunha, frente ao Deportivo, em jogo da segunda jornada do Grupo 1 da Liga Indoor Fertiberia.

Os Dragões, que atingiram o intervalo já em desvantagem (9-5), tiveram em Rui Barros e Capucho as suas principais figuras, com a dupla de atacantes a somar dez dos 11 golos da equipa. O golo restante, que  até foi o primeiro dos azuis e brancos, foi apontado por Mário Silva.

Enfraquecidos pelas ausências de Vítor Baía, Gomes, Pedro Emanuel, Folha e Paulinho Santos, os Dragões igualaram a partida (11-11) a cinco minutos do final, por intermédio de Rui Barros, depois de inteligentemente assistido por Capucho, mas acabariam por permitir que Repi resolvesse o encontro a favor do Deportivo, com apenas dois minutos para jogar.

Com a derrota na Corunha, os Dragões desceram à quarta posição do grupo, mas contando menos um jogo disputado do que Celta de Vigo e Sporting de Gijon, que ocupam a segunda e terceira posições da série, que passa a ser liderada pelo Deportivo.

Com oito golos e 46 anos, Rui Barros distingue-se como um dos melhores marcadores da competição, somando menos um do que Juan Sanchez e Baraja, ambos do Valência.
fonte: fcporto.pt

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

CARREGA PORTO: VITÓRIA DE SETÚBAL 1-3 FC PORTO

Vitória de Setúbal-FC Porto, 1-3
Liga, 19.ª jornada
19 de Fevereiro de 2012
Estádio do Bonfim, em Setúbal

Árbitro: Paulo Baptista (Portalegre)
Árbitros assistentes: José Braga e Valter Rufo
Quarto árbitro: Luís Catita

VITÓRIA DE SETÚBAL: Ricardo; Ney Santos, Ricardo Silva, Amoreirinha e Miguelito; Djikiné, Hugo Leal, Bruno Amaro e Neca; Targino e Meyong
Substituições: Neca por Bruno Gallo (37m), Djikiné por Rafael Santos (46m) e Targino por Severino (85m)
Não utilizados: Diego, Igor, Tengarrinha e Gonçalo
Treinador: José Mota

FC PORTO: Helton; Sapunaru, Rolando, Otamendi e Alex Sandro; Fernando, João Moutinho e Lucho; Hulk, Janko e Varela
Substituições: Lucho por Defour (59m), Hulk por Rodríguez (67m) e João Moutinho por James (67m)
Não utilizados: Bracali, Djalma, Kléber e Maicon
Treinador: Vítor Pereira

Ao intervalo: 0-2
Golos: Janko (3m), Fernando (26m), Meyong (75m), Varela (79m)
Cartão amarelo: Ney Santos (14m), Amoreirinha (22m), Sapunaru (69m), Otamendi (74m) e Bruno Amaro (82m)


Com a vitória deste domingo, por 3-1, os triunfos consecutivos dos Dragões no Bonfim, em jogos da Liga, sobem para 12. O mais recente começou a escrever-se ao terceiro minuto, com Janko a confirmar uma apetência invulgar, teve direito a estreia, com Fernando a marcar pela primeira vez, e ainda sobrou tempo e talento para Varela fechar as contas, silenciando o projecto de revolta setubalense.
A entrada determinada era assumida e a confirmação não se fez esperar. Três minutos foi tempo de sobra para o FC Porto marcar, com um movimento rápido de João Moutinho a oferecer o terceiro golo em três jogos a Janko.
A disposição portista foi ratificada nos minutos seguintes, com um domínio crescente que permitiu ao campeão desenhar o jogo no género “sentido único” e alargar a vantagem, ainda antes da meia hora, com uma estreia absoluta: num lance que abriu com a recuperação de bola e fechou com um remate cruzado, Fernando marcou o seu primeiro golo na Liga com a camisola do FC Porto; de permeio, apenas a assistência de Hulk.
Nada mudou com o segundo golo portista. Autoritário, o campeão continuou a decidir o destino do encontro, numa tendência confirmada pelo registo de posse de bola, que, entre inevitáveis oscilações, atingiu várias vezes a casa dos 70 por cento. Antes e depois do intervalo, o jogo foi quase sempre aquilo que o FC Porto quis, permitindo-se os Dragões a uma compreensível gestão do esforço, justificada pela experiência europeia recente.
A supremacia portista sofreria um golpe inesperado, absolutamente contra a corrente e desferido na transformação exemplar de um livre directo. Marcou Meyong. Aos 75 minutos, o Vitória parecia por fim, reentrar no jogo, numa ilusão prontamente desmentida por Varela, que fez o terceiro golo dos Dragões quatro minutos depois, assistido por Rodríguez, com um passe atrasado perfeito.
Retomada a normalidade, o FC Porto reproduziu sinais de clara hegemonia, com o mais gritante a esbarrar na trave, a remate de Sapunaru, e os restantes a provocarem o desequilíbrio profundo da defesa de Setúbal.


sábado, 4 de fevereiro de 2012

LIGA FERTIBERIA: FC PORTO 11-10 SPORTING GIJÓN


QUEM SABE NUNCA ESQUECE

FICHA DE JOGO
Liga Fertiberia, 1.ª jornada
3 de Fevereiro de 2012
Dragão Caixa, no Porto
Assistência: 1.360 espectadores

Árbitros: Aníbal Fernandes e José Castro

FC PORTO (11): Vítor Baía (g.r.), João Pinto, Paulinho Santos, Rui Barros e Gomes (cap.); Capucho, Pedro Emanuel, Bino, Folha, Bandeirinha, Mário Silva, Coelho, Chainho, Daniel Correia (g.r.)
Treinador: Luís Castro

SPORTING GIJÓN (10): Ramón (g.r.), Marcelino Elena, Abelardo (cap.), Cano e Tomás; Nikiforov, José Manuel, Tati, Morán, Mendéz (g.r.)
Treinador: Redondo

Ao intervalo: 4-3
Marcadores: 0-1, Tomás (7m); 1-1, Capucho (8m); 1-2, Morán (16m); 2-2, Mário Silva (22m); 2-3, Abelardo (23m); 3-3, Rui Barros (29m); 4-3, Paulinho Santos (30m+2); 5-3, Rui Barros (33m); 5-4, Tati (37m); 5-5, Cano (39m); 6-5, Gomes (42m); 7-5, Mário Silva (43m); 8-5, João Pinto (44m); 8-6, Marcelino Elena (45m); 9-6, Bino (47m); 9-7, Tomás (50m); 10-7, Bandeirinha (52m); 11-7, Rui Barros (57m); 11-8, José Manuel (58m); 11-9, José Manuel (60m); 11-10, Cano (60m+3)
Cartão amarelo: Cano (33m), João Pinto (41m) e Paulinho Santos (49m)

Melhor era impossível. Ao longo de mais de uma hora, o Dragão Caixa foi cápsula do tempo. Na estreia portista na Liga Fertibéria, que até terminou em vitória (11-10) sobre o detentor do título, o “Vintage” azul e branco revelou todos os predicados que se lhe adivinhavam: a velocidade não é mais a mesma, mas o aroma de futebol intenso permanece intacto. Porque quem sabe nunca esquece.

O anúncio repetido e o aviso frequente sustentavam as previsões de brilho forte, mas a realidade superou as expectativas, com o cruzamento de estrelas a provocar faísca ainda antes do apito inicial. Enquanto Vítor Baía, o mais saudado, trocava um abraço com Abelardo, com quem fez equipa em Barcelona, Gomes era homenageado pelo Sporting de Gijón, clube que representou na década de 80. Mais tarde, quando os adeptos descobriram Lucho nas bancadas, só Folha se irritou com o remate que bateu na trave, depois de saído dos seus pés.

Na fase inicial do encontro, Baía foi, efectivamente, o elemento mais preponderante, impedindo o ampliar da desvantagem com uma sucessão de grandes defesas que estabilizou e lançou o “Vintage” portista para uma recuperação soberba perante o detentor do troféu e para uma exibição… brilhante.

Equilibrado o “cinco”, entraram em cena os artistas, com Capucho a fazer o primeiro de onze golos, dos quais sobressaem o pontapé de Bandeirinha, preparado bem antes da linha de meio-campo, o remate à meia-volta de Gomes, depois de “matar” no peito, e o toque sobre a linha de golo com o qual Rui Barros fechou uma jogada colectiva.

Com a mesma lógica revivalista que precipitou os festejos antes do início da partida, os aplausos propagaram-se muito para lá do apito final, com Gomes a oferecer a braçadeira aos adeptos de forma aleatória e Vítor Baía a gastar cerca de 30 minutos para percorrer as dezenas de metros que o separavam do balneário, travado por múltiplas solicitações de autógrafos e poses para a fotografia, num prolongamento merecido de uma espécie de regresso ao futuro.
fonte: fcporto.pt