Barra de Vídeo

Loading...

sábado, 4 de fevereiro de 2012

LIGA FERTIBERIA: FC PORTO 11-10 SPORTING GIJÓN


QUEM SABE NUNCA ESQUECE

FICHA DE JOGO
Liga Fertiberia, 1.ª jornada
3 de Fevereiro de 2012
Dragão Caixa, no Porto
Assistência: 1.360 espectadores

Árbitros: Aníbal Fernandes e José Castro

FC PORTO (11): Vítor Baía (g.r.), João Pinto, Paulinho Santos, Rui Barros e Gomes (cap.); Capucho, Pedro Emanuel, Bino, Folha, Bandeirinha, Mário Silva, Coelho, Chainho, Daniel Correia (g.r.)
Treinador: Luís Castro

SPORTING GIJÓN (10): Ramón (g.r.), Marcelino Elena, Abelardo (cap.), Cano e Tomás; Nikiforov, José Manuel, Tati, Morán, Mendéz (g.r.)
Treinador: Redondo

Ao intervalo: 4-3
Marcadores: 0-1, Tomás (7m); 1-1, Capucho (8m); 1-2, Morán (16m); 2-2, Mário Silva (22m); 2-3, Abelardo (23m); 3-3, Rui Barros (29m); 4-3, Paulinho Santos (30m+2); 5-3, Rui Barros (33m); 5-4, Tati (37m); 5-5, Cano (39m); 6-5, Gomes (42m); 7-5, Mário Silva (43m); 8-5, João Pinto (44m); 8-6, Marcelino Elena (45m); 9-6, Bino (47m); 9-7, Tomás (50m); 10-7, Bandeirinha (52m); 11-7, Rui Barros (57m); 11-8, José Manuel (58m); 11-9, José Manuel (60m); 11-10, Cano (60m+3)
Cartão amarelo: Cano (33m), João Pinto (41m) e Paulinho Santos (49m)

Melhor era impossível. Ao longo de mais de uma hora, o Dragão Caixa foi cápsula do tempo. Na estreia portista na Liga Fertibéria, que até terminou em vitória (11-10) sobre o detentor do título, o “Vintage” azul e branco revelou todos os predicados que se lhe adivinhavam: a velocidade não é mais a mesma, mas o aroma de futebol intenso permanece intacto. Porque quem sabe nunca esquece.

O anúncio repetido e o aviso frequente sustentavam as previsões de brilho forte, mas a realidade superou as expectativas, com o cruzamento de estrelas a provocar faísca ainda antes do apito inicial. Enquanto Vítor Baía, o mais saudado, trocava um abraço com Abelardo, com quem fez equipa em Barcelona, Gomes era homenageado pelo Sporting de Gijón, clube que representou na década de 80. Mais tarde, quando os adeptos descobriram Lucho nas bancadas, só Folha se irritou com o remate que bateu na trave, depois de saído dos seus pés.

Na fase inicial do encontro, Baía foi, efectivamente, o elemento mais preponderante, impedindo o ampliar da desvantagem com uma sucessão de grandes defesas que estabilizou e lançou o “Vintage” portista para uma recuperação soberba perante o detentor do troféu e para uma exibição… brilhante.

Equilibrado o “cinco”, entraram em cena os artistas, com Capucho a fazer o primeiro de onze golos, dos quais sobressaem o pontapé de Bandeirinha, preparado bem antes da linha de meio-campo, o remate à meia-volta de Gomes, depois de “matar” no peito, e o toque sobre a linha de golo com o qual Rui Barros fechou uma jogada colectiva.

Com a mesma lógica revivalista que precipitou os festejos antes do início da partida, os aplausos propagaram-se muito para lá do apito final, com Gomes a oferecer a braçadeira aos adeptos de forma aleatória e Vítor Baía a gastar cerca de 30 minutos para percorrer as dezenas de metros que o separavam do balneário, travado por múltiplas solicitações de autógrafos e poses para a fotografia, num prolongamento merecido de uma espécie de regresso ao futuro.
fonte: fcporto.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário