Barra de Vídeo

Loading...

domingo, 29 de setembro de 2013

O MUSEU É A NOVA ESTRELA DO FC PORTO

No dia do 120.º aniversário, está inaugurado o Museu do Futebol Clube do Porto. A obra ambicionada há décadas pelos portistas foi visitada, pela primeira vez, já este sábado, com os convidados a seguirem as pisadas do presidente Jorge Nuno Pinto da Costa, do antigo presidente da República Ramalho Eanes e de Ricardo Guimarães, presidente do Banco BMG, que é parceiro do Museu.

Com a dimensão de 7.000 m², o Museu inclui o serviço educativo, a FC Porto Store e Loja do associado, o Museu Caffé, um auditório, uma sala de exposições temporárias e dois espaços lúdicos. Há 27 áreas temáticas para visitar, sendo algumas delas "Origens", "Azul ao fundo", "Do campo ao estádio", "Grandes notícias" e áreas dedicadas a presidentes, treinadores, jogadores e às restantes modalidades para além do futebol.

"Acho que o Museu está excelente. Já o tinha visto ontem, mas tanto eu como toda a gente que aqui esteve reconhece que é uma obra fantástica, que excedeu todas as expectativas dos mais optimistas. Quero felicitar todos os que aqui trabalharam, devotadamente, com muitas noites perdidas, sem estar a especificar alguém em especial. Quero deixar a todos um grande abraço de agradecimento", declarou Pinto da Costa ao www.fcporto.pt.

Através da visita, é possível perceber a ligação do clube à cidade e a sua fundação, rever as primeiras conquistas e a viragem pós-1974, depois da revolução democrática portuguesa. A partir daí, o discurso do Museu é mais expansivo, e há espaços dedicados a cada uma das sete conquistas europeias do futebol azul e branco, uma "constelação" cheia de taças, inúmeras áreas interactivas e até uma réplica de um balneário e dos antigos "cativos" do Estádio das Antas.

"O Museu tem um discurso emocional. É a história do FC Porto e quem viveu estes momentos, quase todos de grande glória, fica mais do que tocado, porque sabe melhor do que ninguém o que isto representa. Está uma obra fantástica e acho que isto não é só orgulho do FC Porto, vai ser também o orgulho da cidade do Porto", afirmou o presidente dos Dragões.

Num Museu em que estão representadas todas as conquistas nacionais do futebol e as principais vitórias das modalidades, destaque-se ainda o melhor "onze" eleito pelos adeptos através do Facebook do FC Porto: Vitor Baía, João Pinto, Ricardo Carvalho, Aloísio, Branco, André, Deco, Madjer, Hulk, Gomes e Futre.

Helton e Lucho, como capitães da equipa de futebol, e Paulo Fonseca, treinador, marcaram presença na cerimónia, em que também se registou a bênção do edifício por D. Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas e das Forças de Segurança. No "hall" de entrada, é possível admirar uma obra de Joana Vasconcelos: "Valquíria Dragão", que está rodeada de troféus ganhos pelo clube.

fonte: fcporto.pt

CARREGA PORTO: UM GOLO VALE LIDERANÇA


FC Porto-Vitória de Guimarães, 1-0
Liga portuguesa, sexta jornada
27 de Setembro de 2013
Estádio do Dragão, no Porto
Assistência: 32.209 espectadores

Árbitro: Pedro Proença (Lisboa)
Assistentes: Tiago Trigo e Bertino Miranda
Quarto árbitro: Daniel Cardoso

FC PORTO: Helton; Danilo, Otamendi, Mangala e Alex Sandro; Fernando, Lucho (cap.) e Quintero; Josué, Jackson Martínez e Licá
Substituições: Licá por Varela (61m), Quintero por Defour (68m) e Fernando por Carlos Eduardo (77m)
Não utilizados: Fabiano, Fucile, Ghilas e Reyes
Treinador: Paulo Fonseca

VITÓRIA DE GUIMARÃES: Douglas; Pedro Correia, Paulo Oliveira, Moreno e Luís Rocha; Leonel Olímpio (cap.), André Santos e André André; Nii Plange, Maazou e Malonga
Substituições: Nii Plange por Marco Matias (58m), André André por Tiago Rodrigues (75m) e Malonga por Ricardo (75m)
Não utilizados: Assis, Freire, Barrientos e Kanú
Treinador: Rui Vitória

Ao intervalo: 0-0
Marcador: Josué (51m, pen.)
Cartões amarelos: Fernando (28m), Lucho (32m), Douglas (50m), Danilo (55m), leonel Olímpio (65m) e Otamendi (70m)

Um golo de penálti de Josué, no início da segunda parte, foi suficiente para o FC Porto bater o Vitória de Guimarães (1-0), na sexta jornada da Liga. Os Dragões reforçam a liderança da prova, somando agora 16 pontos, mantêm-se invictos na época e iniciaram assim, da melhor maneira, as comemorações dos 120 anos do clube. 
Na 1ª parte, o FC Porto entrou de rompante e logo nos primeiros quinze minutos já contabilizava três excelentes oportunidades de golo. Numa delas a bola bateu no poste da baliza de Douglas após remate de Jackson Martínez. 
Até ao intervalo, o FC Porto poderia ter construído um resultado bastante confortável e poderia também, se o desacerto não fosse tão grande, gerir o jogo de outra forma a pensar no próximo compromisso importantíssimo da próxima terça-feira frente ao Atlético de Madrid a contar para a Liga dos Campeões.
A segunda parte começou como a primeira; com o FC Porto bastante dinâmico e com uma rotação altíssima. O golo surgiu aos 50 minutos após o árbitro ter assinalado uma grande penalidade muito duvidosa sobre Quintero. Josué converteu o castigo máximo e o jogo terminou nesse momento.
A partir daqui o jogo tornou-se chato, o V. Guimarães subiu as linhas e houve muita disputa a meio campo com jogadas inconsequentes, passes disparatados e muitas perdas de bola.
Perante a vantagem mínima, o FC Porto procurou ter algumas cautelas defensivas mas o V. Guimarães, apesar de não ter tido grandes soluções nem criado qualquer oportunidade concreta durante o jogo, manteve a incerteza no resultado até ao apito final. No cair do pano, Maazou teve o único remate dos vimaranenses ao lado da baliza de Helton.
Na próxima 3ª feira regressa a Champions League com o FC Porto a receber o Atlético de Madrid. Um jogo muito importante e que pode vir a revelar-se decisivo no apuramento para os oitavos de final da liga milionária.

DECLARAÇÕES
O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, foi pragmático na análise ao encontro da 6.ª jornada, com o V. Guimarães, que terminou com a vitória do FC Porto por 1-0. O técnico azul e branco afirmou que espera que haja “continuidade no futuro” dos primeiros 45 minutos da equipa e defendeu que o adversário “não criou nenhuma situação de perigo” durante a partida.

Paulo Fonseca começou por destacar a “excelente exibição” do FC Porto na primeira parte: “Criámos inúmeras situações de golo e podíamos ter saído para o intervalo com uma margem de dois ou três golos. Fizemos uns primeiros 45 minutos muito bons. Após o golo, já na segunda parte, o Guimarães fez uma construção longa, obrigou-nos a baixar as linhas e temos de admitir que houve aqui um desgaste por o FC Porto ter feito uma primeira parte de intensidade alta”.

Reconhecendo a ansiedade por parte do FC Porto em querer gerir a vantagem no marcador, o técnico portista comentou também a dificuldade da sua equipa em criar situações de perigo já na segunda metade: “Não estivemos bem na saída para o ataque, pois estávamos a perder a posse da bola facilmente e isso ajudou o adversário. Mas o facto é que o Vitória de Guimarães não criou nenhuma situação de perigo em frente à nossa baliza, mesmo após a lesão do Fernando”, referiu.

Em jeito de balanço do desafio, Paulo Fonseca mostrou-se optimista para os próximos jogos: “A verdade é que em casa já fizemos bons jogos e na Supertaça também realizámos uma boa exibição. Esperemos que seja para dar continuidade no futuro”. O treinador do FC Porto foi ainda assertivo em relação ao penálti que decidiu a partida: “De longe, parece-me que é dentro da área. Mas ainda não consegui ver bem o lance”.

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

SÁBADO RECHEADO DE EMOÇÕES PARA ASSINALAR OS 120 ANOS

24/09/2013


É já este sábado que o FC Porto comemora o seu 120.º aniversário, uma data que será assinalada com toda a pompa e circunstância que o momento merece. As celebrações, que começam logo pela manhã, terão como pontos altos o hastear da bandeira, a inauguração do Museu FC Porto by BMG e a Gala dos Dragões de Ouro.

O hastear da bandeira, agendado para as 10h30, junto à porta 1 do Estádio do Dragão, marca o arranque de um dia que promete muitas emoções, num regresso ao passado que recuperará todas as boas memórias da história do clube, apontando para um futuro igualmente promissor.

O aniversário prossegue na Sé Catedral do Porto, onde se realizará, pelas 12h00, a missa de acção de graças pelos 120 anos do FC Porto.

Ao início da tarde, pelas 15h00, será chegado um dos eventos mais aguardados do ano para o universo azul e branco: a inauguração do Museu FC Porto by BMG. O espaço, que se espera vir a ser de culto para todos os aficionados do clube, desvendará a história dos Dragões ao longo deste mais de um século de vida, de uma forma dinâmica e, acima de tudo, apaixonada.

Refira-se que todas estas vivências poderão ser acompanhadas pelo público em geral já a partir de 26 de Outubro, data apontada para a abertura do Museu, que passará a contar nas suas instalações também com a Loja do Associado, a FC Porto Store e o Museu Caffé.

Para a noite de 28 de Setembro está reservado mais um momento único, com a realização da Gala dos Dragões de Ouro, a premiar os que mais de distinguiram na temporada transacta. O desfile das estrelas começa às 21h00, no Pavilhão Dragão Caixa, que recebe pela segunda vez o evento.

fonte: fcporto.pt

terça-feira, 24 de setembro de 2013

CARREGA PORTO: COMEMORANDO 100 PUBLICAÇÕES

Assinala-se hoje uma data especial para o CARREGA PORTO!
Desde que foi reaberto, o CARREGA PORTO atingiu hoje 100 publicações.
Embora para alguns (ou muitos) o que acabei de escrever pouco ou nada signifique; para mim e para o blogue é um marco especial que eu não podia deixar passar em branco.
E eu acredito que o CARREGA PORTO irá chegar às mil publicações.
Se porventura tal não acontecer; teremos sempre 100 publicações. E Sevilha.


O LOBO MAU

O FC Porto denunciou (e bem) hoje, através do seu site oficial, um conjunto de comentários publicados por Nuno Lobo no seu perfil do Facebook e que demonstram bem a baixeza de carácter deste indivíduo.
O facciosismo patente nas afirmações do presidente da Associação de Futebol de Lisboa que, com o maior dos descaramentos, veste a camisola encarnada para gozar despudoradamente com outros clubes da associação a que preside, já seria, por si só, de lamentar. Mas até este comportamento condenável passa para segundo plano quando comparado com os execráveis comentários de teor racista com que se refere ao Hulk.

Eis os comentários em causa:

«Agora... Calma e concentração, rapazes!!! Agora teremos pela frente equipas de futebol: Estugarda e Marítimo!!! De ballet como a de hoje já não apanharemos muitas mais!!! FORÇA CAMPEÃO!»
21 Fevereiro 2011, após o final do jogo da Liga Sporting, 0-Benfica, 2

«Para mim foi o melhor em campo... Grande passe aquele para o segundo golo... o golo do macaco Hulk... HU HU HU HU»
21 de Abril 2011, após o final do jogo da Taça de Portugal, Benfica, 1-FC Porto, 3

«… não podíamos ter bananas no campo. Senão o incrível macaco comia-as»
21 de Abril 2011, após o final do jogo da Taça de Portugal, Benfica, 1-FC Porto, 3

«… dia 18 de Maio vais sentir-te orgulhoso por seres do País do vencedor da Liga Europa! E vais ficar muito feliz quando vingarmos a derrota [vitória] que o Villarreal obteve [conseguiu] sobre o clube da sempre 2ª cidade de Portugal...»
21 de Abril 2011, após o final do jogo da Taça de Portugal, Benfica, 1-FC Porto, 3

Extractos retirados do Facebook de Nuno Lobo, presidente da Associação de Futebol de Lisboa. O FC Porto deixa ao critério dos clubes de Lisboa se este senhor deve dirigir os destinos da sua associação e exorta as autoridades nacionais e a própria UEFA a agirem perante o que afigura ser um crime público de racismo para com o jogador Hulk. 


Espero que o FC Porto tenha a coragem de não se ficar pelas ameaças e que denuncie este criminoso à UEFA. Sempre quero ver o que fará a instância que gere o futebol europeu, sempre tão preocupada em punir os clubes pelos comportamentos racistas dos adeptos, perante esta vergonha descarada protagonizada pelo presidente de um órgão oficial de futebol.

CARREGA PORTO: PERDA DE PONTOS COM MÃO ALHEIA

Estoril-FC Porto, 2-2
Liga portuguesa, 5.ª jornada
22 de Setembro de 2013
Estádio António Coimbra da Mota, em Cascais

Árbitro: Rui Silva (Vila Real)
Assistentes: José Lima e Bruno Trindade

ESTORIL: Vagner (cap.); Anderson Luís, Bruno Miguel, Ruben Fernandes e Babanco; Gonçalo Santos, Diogo Amado e Evandro; João Pedro Galvão, Sebá e Luís Leal
Substituições: Balboa por João Pedro Galvão (71m), Filipe Gonçalves por Diogo Amado (72m) e Mano por Evandro (85m)
Não utilizados: Ricardo Ribeiro, João Pedro, João Coimbra e Bruno Lopes
Treinador: Marco Silva

FC PORTO: Helton; Danilo, Otamendi, Mangala e Alex Sandro; Fernando, Defour e Lucho (cap.); Licá, Varela e Jackson Martínez
Substituições: Quintero por Varela (76m), Ricardo por Defour (84m) e Ghilas por Licá (90m)
Não utilizados: Fabiano, Reyes, Herrera e Josué
Treinador: Paulo Fonseca

Ao intervalo: 1-1
Marcadores: Licá (26m), Evandro (35m, g.p.), Jackson Martínez (67m), Luís Leal (80m)
Disciplina: Cartão amarelo a Mangala (30m), Otamendi (34m), João Pedro Galvão (37m), Babanco (40m), Alex Sandro (59m), Fernando (66m), Anderson Luís (78m) e Vagner (90m)


O FC Porto empatou este domingo (2-2) diante do Estoril, no Estádio António Coimbra da Mota, em jogo a contar para a 5.ª jornada da Liga. Licá (19m) e Jackson Martínez (67m) fizeram os golos dos Dragões, enquanto Evandro, numa grande penalidade mal assinalada (35m), e Luís Leal (80m), em fora de jogo, marcaram para os estorilistas.

Com Defour de regresso à equipa após falhar a estreia na UEFA Champions League devido a castigo, o FC Porto entrou no jogo ao ritmo de Lucho. O duplo aviso do capitão portista (5m e 6m) foi como que uma espécie de prenúncio para o golo do tricampeão. Servido por Varela, Licá soube capitalizar o infortúnio de Babanco e não tremeu na cara de Vagner, dando vantagem aos azuis e brancos (19m).

À passagem dos 35 minutos, Rui Silva e seus pares descortinaram uma bola na mão de Otamendi dentro da área que, na realidade, aconteceu fora da mesma. Grande penalidade mal assinalada que Evandro, indiferente à inacreditável decisão, cobrou com sucesso, estabelecendo o empate a uma bola registado ao intervalo (35m).

Em busca do pleno em jogos oficiais esta temporada, o FC Porto voltou a balançar as redes adversários na etapa complementar, à passagem do 67.º minuto. Varela descobriu Lucho em zona frontal e "El Comandante", com toda a genialidade de quem sabe como poucos aquilo que faz, deixou Jackson Martínez frente-a-frente com Vagner. Com classe, o avançado colombiano “picou” a bola sobre o guardião brasileiro e deu nova vantagem aos Dragões.

À entrada para os derradeiros dez minutos, o Estoril chegou de novo à igualdade, desta feita por intermédio de Luís Leal, num lance em que o avançado estorilista se encontra fora de jogo (80m). Novamente, a arbitragem condicionou o rumo do jogo. Apesar das constantes quebras e perdas de tempo provocadas pelos jogadores do Estoril, o FC Porto seguiu na procura desenfreada pela vitória e ainda viu Vagner negar o golo a Alex Sandro com uma grande defesa (90m+1). Assim se consumou o primeiro empate no campeonato no primeiro jogo oficial que o FC Porto não venceu em 2013/14. Dois pontos que também se perderam por entre o tempo perdido.

fonte: fcporto.pt

DECLARAÇÕES
Paulo Fonseca
“Antes de mais, gostaria de dar os parabéns aos meus jogadores. Tentámos por todos os meios vencer, penso que tivemos bons momentos no jogo e não há nada que se lhes aponte porque tiveram uma atitude extraordinária. Parabéns ao Estoril, que é sempre um adversário difícil, e parabéns ao Jorge Jesus, porque conseguiu jogar em três campos e a estratégia dele e do Benfica resultou. Houve aqui uma clara influência da equipa de arbitragem, que esteve francamente mal. Já pudemos comprovar que o penálti do Estoril foi um metro fora da área. Tenho de dar os parabéns a quem condicionou não só este jogo, porque ontem, no jogo do Sporting, pudemos assistir a mais do mesmo. O que ganhou aqui foi a estratégia do Jorge Jesus.”

“Tradicionalmente, este é um campo difícil, jogámos perante um bom adversário e as grandes equipas têm dificuldade em jogar aqui. O Estoril teve uma estratégia que nos condicionou, mas chegámos ao golo e tivemos mais oportunidades. Em relação à arbitragem, não foi só o lance do penálti que nos prejudicou, acabámos com a defesa toda amarelada e é difícil falar quando as coisas são tão claras. Penso que fizemos uma segunda parte boa, chegámos com mérito à vantagem e depois é óbvio que não podemos sofrer um golo quando estamos a ganhar. Há mérito do Estoril e houve uma condicionante que influenciou fortemente o rendimento dos jogadores.”

“O empate não traz nenhumas consequências porque foi clara a razão por que não ganhámos aqui. Vamos continuar a entrar em todos os jogos para vencer, não é este empate, ainda para mais da maneira como foi conseguido, que nos vai retirar ambição. Vamos lutar em todos os campos contra qualquer adversário, sabendo que há coisas que não podemos ultrapassar.”

Licá
“O Estoril em casa é muito forte, entrámos a ganhar, eles empataram, voltamos a colocar-nos em vantagem e eles voltaram a empatar. Não era o resultado que queríamos, mas há que levantar a cabeça, o grupo está unido e vamos pensar já em ganhar o próximo jogo. O Estoril vai ser sempre um clube especial para mim, por isso não festejei por respeito, mas queria a vitória, sem dúvida.”

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

CARREGA PORTO: FC PORTO 2-0 GIL VICENTE

FC Porto-Gil Vicente, 2-0
Liga, quarta jornada
14 de Setembro de 2013
Estádio do Dragão, no Porto
Assistência: 36.517 espectadores

Árbitro: Hugo Pacheco (Porto)
Assistentes: Alexandre Freitas e Pedro Miguel Ribeiro
Quarto árbitro: Manuel Oliveira

FC PORTO: Helton (cap.); Danilo, Maicon, Otamendi e Alex Sandro; Fernando, Defour e Quintero; Varela, Jackson Martínez e Licá
Substituições: Maicon por Mangala (17m), Licá por Lucho (62m) e Quintero por Ricardo (77m)
Não utilizados: Fabiano, Josué, Ghilas e Carlos Eduardo
Treinador: Paulo Fonseca

GIL VICENTE: Adriano; Gabriel, Peck’s, Luan e Luís Martins; Keita, César Peixoto (cap.) e João Vilela; Draman, Brito e Diogo Viana
Substituições: Draman por Bruno Moraes (34m), Brito por Pitbull (62m) e César Peixoto por Avto (77m)
Não utilizados: Caleb, Vítor Vinha, Vítor Gonçalves e Nélson Agra
Treinador: João de Deus

Ao intervalo: 2-0
Marcadores: Varela (8m) e Jackson (27m)
Cartões amarelos: Mangala (41m), Luís Martins (62m) e Varela (76m)
Cartões vermelhos: -


O FC Porto venceu o Gil Vicente (2-0) mantendo assim o pleno de vitórias nos quatro jogos já disputados esta época para a Liga Portuguesa.
Com Varela e Quintero como novidades no “onze” inicial, foi Licá – que cumpriu o 50.º jogo na Liga – a dar o primeiro sinal de perigo, aos seis minutos, obrigando Adriano a uma defesa incompleta. O primeiro golo surgiu dois minutos depois, por intermédio de Varela, na sequência de um pontapé de canto em que Quintero cruzou para a grande área e Maicon assistiu o avançado que à segunda inaugurou o marcador.

Aos 27 minutos, Jackson Martínez voltou a marcar pela equipa do FC Porto, igualando assim o recorde de Falcao que tinha marcado também nos primeiros 4 jogos da liga. Na sequência de um jogada rápida, com excelentes trocas de bola, Danilo cruza da direita, Licá cabeceia para a baliza, Adriano defende para a frente e Jackson empurra a bola para a baliza deserta.
Tendo até em mente o desafio da próxima quarta-feira, o FC Porto procurou geriu a vantagem na segunda parte. O Gil Vicente subiu mais no terreno, conseguiu alguns remates, mas nunca se libertou da teia portista. A melhor oportunidade ocorreu aos 82 minutos, quando Helton defendeu um disparo de Bruno Moraes e ainda perturbou a recarga de Avto.

DECLARAÇÕES

Paulo Fonseca
“Nunca procuro desculpas quando as coisas não correm bem. Fizemos uma grande primeira parte, na qual tivemos momentos brilhantes, mas não soubemos gerir o jogo da segunda, na qual podíamos e devíamos ter feito mais”, começou por afirmar o técnico dos tricampeões nacionais, que sublinhou a sua satisfação por um resultado que considerou justo.

“Estou naturalmente satisfeito pela vitória. Aliás, vencemos todos os jogos oficiais até ao momento, algo que era um dos nossos objectivos, porque queremos vencer sempre. Esta vitória, que não sofre qualquer contestação, assume particular importância por ser no início de uma semana difícil, em que iniciamos a nossa participação na UEFA Champions League”, considerou Paulo Fonseca.

Relativamente à ausência do castigado Steven Defour na estreia na UEFA Champions League 2013/14, frente ao Áustria de Viena, Paulo Fonseca acredita que a equipa não se irá ressentir. “O que o Defour tem feito pela equipa é grandioso mas nem sempre é valorizado. É um jogador muito importante e, ao mesmo tempo, muito diferente do João Moutinho. Tenho a certeza que a equipa saberá responder à altura”.