Barra de Vídeo

Loading...

domingo, 29 de setembro de 2013

CARREGA PORTO: UM GOLO VALE LIDERANÇA


FC Porto-Vitória de Guimarães, 1-0
Liga portuguesa, sexta jornada
27 de Setembro de 2013
Estádio do Dragão, no Porto
Assistência: 32.209 espectadores

Árbitro: Pedro Proença (Lisboa)
Assistentes: Tiago Trigo e Bertino Miranda
Quarto árbitro: Daniel Cardoso

FC PORTO: Helton; Danilo, Otamendi, Mangala e Alex Sandro; Fernando, Lucho (cap.) e Quintero; Josué, Jackson Martínez e Licá
Substituições: Licá por Varela (61m), Quintero por Defour (68m) e Fernando por Carlos Eduardo (77m)
Não utilizados: Fabiano, Fucile, Ghilas e Reyes
Treinador: Paulo Fonseca

VITÓRIA DE GUIMARÃES: Douglas; Pedro Correia, Paulo Oliveira, Moreno e Luís Rocha; Leonel Olímpio (cap.), André Santos e André André; Nii Plange, Maazou e Malonga
Substituições: Nii Plange por Marco Matias (58m), André André por Tiago Rodrigues (75m) e Malonga por Ricardo (75m)
Não utilizados: Assis, Freire, Barrientos e Kanú
Treinador: Rui Vitória

Ao intervalo: 0-0
Marcador: Josué (51m, pen.)
Cartões amarelos: Fernando (28m), Lucho (32m), Douglas (50m), Danilo (55m), leonel Olímpio (65m) e Otamendi (70m)

Um golo de penálti de Josué, no início da segunda parte, foi suficiente para o FC Porto bater o Vitória de Guimarães (1-0), na sexta jornada da Liga. Os Dragões reforçam a liderança da prova, somando agora 16 pontos, mantêm-se invictos na época e iniciaram assim, da melhor maneira, as comemorações dos 120 anos do clube. 
Na 1ª parte, o FC Porto entrou de rompante e logo nos primeiros quinze minutos já contabilizava três excelentes oportunidades de golo. Numa delas a bola bateu no poste da baliza de Douglas após remate de Jackson Martínez. 
Até ao intervalo, o FC Porto poderia ter construído um resultado bastante confortável e poderia também, se o desacerto não fosse tão grande, gerir o jogo de outra forma a pensar no próximo compromisso importantíssimo da próxima terça-feira frente ao Atlético de Madrid a contar para a Liga dos Campeões.
A segunda parte começou como a primeira; com o FC Porto bastante dinâmico e com uma rotação altíssima. O golo surgiu aos 50 minutos após o árbitro ter assinalado uma grande penalidade muito duvidosa sobre Quintero. Josué converteu o castigo máximo e o jogo terminou nesse momento.
A partir daqui o jogo tornou-se chato, o V. Guimarães subiu as linhas e houve muita disputa a meio campo com jogadas inconsequentes, passes disparatados e muitas perdas de bola.
Perante a vantagem mínima, o FC Porto procurou ter algumas cautelas defensivas mas o V. Guimarães, apesar de não ter tido grandes soluções nem criado qualquer oportunidade concreta durante o jogo, manteve a incerteza no resultado até ao apito final. No cair do pano, Maazou teve o único remate dos vimaranenses ao lado da baliza de Helton.
Na próxima 3ª feira regressa a Champions League com o FC Porto a receber o Atlético de Madrid. Um jogo muito importante e que pode vir a revelar-se decisivo no apuramento para os oitavos de final da liga milionária.

DECLARAÇÕES
O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, foi pragmático na análise ao encontro da 6.ª jornada, com o V. Guimarães, que terminou com a vitória do FC Porto por 1-0. O técnico azul e branco afirmou que espera que haja “continuidade no futuro” dos primeiros 45 minutos da equipa e defendeu que o adversário “não criou nenhuma situação de perigo” durante a partida.

Paulo Fonseca começou por destacar a “excelente exibição” do FC Porto na primeira parte: “Criámos inúmeras situações de golo e podíamos ter saído para o intervalo com uma margem de dois ou três golos. Fizemos uns primeiros 45 minutos muito bons. Após o golo, já na segunda parte, o Guimarães fez uma construção longa, obrigou-nos a baixar as linhas e temos de admitir que houve aqui um desgaste por o FC Porto ter feito uma primeira parte de intensidade alta”.

Reconhecendo a ansiedade por parte do FC Porto em querer gerir a vantagem no marcador, o técnico portista comentou também a dificuldade da sua equipa em criar situações de perigo já na segunda metade: “Não estivemos bem na saída para o ataque, pois estávamos a perder a posse da bola facilmente e isso ajudou o adversário. Mas o facto é que o Vitória de Guimarães não criou nenhuma situação de perigo em frente à nossa baliza, mesmo após a lesão do Fernando”, referiu.

Em jeito de balanço do desafio, Paulo Fonseca mostrou-se optimista para os próximos jogos: “A verdade é que em casa já fizemos bons jogos e na Supertaça também realizámos uma boa exibição. Esperemos que seja para dar continuidade no futuro”. O treinador do FC Porto foi ainda assertivo em relação ao penálti que decidiu a partida: “De longe, parece-me que é dentro da área. Mas ainda não consegui ver bem o lance”.

Sem comentários:

Enviar um comentário