Barra de Vídeo

Loading...

quinta-feira, 14 de março de 2013

FC PORTO DEIXA ESCAPAR ACESSO AOS "QUARTOS" DA LIGA DOS CAMPEÕES


Málaga CF-FC Porto, 2-0
Liga dos Campeões, oitavos-de-final, segunda mão
13 de Março de 2013
Estádio La Rosaleda, em Málaga

Árbitro: Nicola Rizzoli (Itália)
Assistentes: Andrea Stefani e Renato Faverani
Quarto árbitro: Riccardo di Fiore
Assistentes adicionais: Luca Banti e Paolo Silvio Mazzoleni

MÁLAGA CF: Willy; Jesús Gámez, Demichelis, Weligton (cap.) e Antunes; Iturra, Toulalan e Júlio Baptista; Joaquín, Saviola e Isco
Substituições: Júlio Baptista por Santa Cruz (74m), Saviola por Piazón (78m) e Joaquín por Ignacio Camacho (89m)
Não utilizados: Kameni, Lugano, Seba e Sergio Sánchez
Treinador: Manuel Pellegrini

FC PORTO: Helton; Danilo, Otamendi, Mangala e Alex Sandro; Fernando, João Moutinho e Lucho (cap.); Varela, Jackson Martínez e Defour
Substituições: João Moutinho por James Rodríguez (intervalo), Varela por Maicon (58m) e Alex Sandro por Atsu (70m)
Não utilizados: Fabiano, Castro, Izmaylov e Liedson
Treinador: Vítor Pereira

Ao intervalo: 1-0
Marcadores: Isco (43m) e Santa Cruz (77m)
Cartões amarelos: Otamendi (17m), Defour (24m e 49), Demichelis (28m), Alex Sandro (30m), Jesús Gámez (33m), Toulalan (64m) e Mangala (83m)
Cartões vermelhos: Defour (49m, por acumulação de amarelos)


O FC Porto não foi capaz de garantir o acesso aos quartos-de-final da Liga dos Campeões, ao perder por 2-0 no terreno do Málaga CF. Num encontro em que mostraram sempre personalidade – em vantagem e em desvantagem, em igualdade e em inferioridade numérica, dominando ou sofrendo –, os portistas não foram felizes nos momentos cruciais da partida.
A vantagem mínima obtida na primeira mão acabou por ser ultrapassada por um golo de Santa Cruz a 13 minutos do final, quando os Dragões já levavam quase meia hora em inferioridade numérica, após expulsão de Defour.
No “onze” do FC Porto foram notados os regressos de Mangala e João Moutinho à titularidade, após lesões. A estratégia inicial do FC Porto teve como surpresa a inclusão de Defour numa das alas, mas com a dupla função de criar superioridade a meio-campo quando necessário. E a verdade é que só aos 12 minutos o Málaga conseguiu à área contrária, num livre bombeado que não causou perigo. Durante a primeira meia hora, remates de Danilo (aos nove minutos), Lucho (24) e Defour (27) foram os lances de maior perigo.
Antunes, aos 35 minutos, num remate de fora da área, obrigou pela primeira vez Helton a uma grande intervenção. A equipa da casa passou a aproveitar mais a velocidade dos seus alas e a praticar um futebol mais directo. Isco inaugurou o marcador, aos 43 minutos, num remate colocado que não deu hipóteses a Helton. Ao intervalo, o 1-0 era um resultado demasiado penalizador para quem tinha controlado quase todo o primeiro tempo.
À expulsão de Defour, aos 49 minutos (por falta sobre Joaquín), juntou-se outra má notícia: a saída de João Moutinho. O FC Porto não poderia mais praticar o seu futebol de posse e seria inevitavelmente pressionado e empurrado para zonas mais recuadas. Os Dragões foram então obrigados a praticar um estilo de jogo que não lhes agrada, cedendo o controlo ao adversário e fechando os espaços. Numa primeira fase, os azuis e brancos até reagiram bem à expulsão, mas o desequilíbrio defensivo tornou-se notório e foi resolvido com a entrada em campo de Maicon; Alex Sandro avançou no terreno e fechava à esquerda quando necessário. Os andaluzes não conseguiram manter a mesma intensidade de jogo e o FC Porto ganhou espaço para respirar. Surgiu então uma oportunidade de golo flagrante, aos 75 minutos, quando Jackson por pouco não desvia para a baliza um livre de James.

Na sequência de um pontapé de canto, Santa Cruz colocou o Málaga em vantagem na eliminatória, dando assim um ponto final nas aspirações portistas.

Sem comentários:

Enviar um comentário