Barra de Vídeo

Loading...

sábado, 16 de fevereiro de 2013

CARREGA PORTO: BEIRA MAR 0-2 FC PORTO


Beira-Mar-FC Porto, 0-2
Liga portuguesa, 19.ª jornada
15 de Fevereiro de 2013
Estádio Municipal de Aveiro

Árbitro: Carlos Xistra (Castelo Branco)
Assistentes: Luís Marcelino e Jorge Cruz
Quarto árbitro: Renato Gonçalves

BEIRA-MAR: Rui Rego; Nuno Lopes, Hugo (cap.), Jaime e Hélder Lopes; Ricardo Dias, Fleurival e Rui Sampaio; Rúben Ribeiro, Yazalde e Nildo
Substituições: Rui Sampaio por Serginho (37m), Rúben Ribeiro por Abel Camará (61m) e Nuno Lopes por Bura (77m)
Não utilizados: Jonas, Dani Abalo, Pedro Moreira e Tozé
Treinador: Ulisses Morais

FC PORTO: Helton; Danilo, Otamendi, Mangala e Alex Sandro; Fernando, João Moutinho e Lucho (cap.); Izmaylov, Jackson e Atsu
Substituições: Atsu por Maicon (65m), Lucho por James (72m) e João Moutinho por Castro (81m)
Não utilizados: Fabiano, Liedson, Kelvin e Sebá
Treinador: Vítor Pereira

Ao intervalo: 0-1
Marcadores: Atsu (34m) e Jackson (73m)
Cartões amarelos: Nuno Lopes (27m), Mangala (31m e 88m), Alex Sandro (44m) e Hugo (51m)
Cartões vermelhos: Mangala (88m, por acumulação de amarelos)

Vítor Pereira tinha revelado, na conferência de imprensa de antevisão do encontro, que queria ver a sua equipa a dar um sinal de “pujança” para a eliminatória da Liga dos Campeões que se avizinha, frente ao Málaga, na terça-feira. E, aos dois minutos, os Dragões já tinham rematado por duas vezes, por intermédio de João Moutinho e Atsu. Aos nove, Izmaylov disparou e Rui Rego foi forçado a uma defesa a dois tempos.
No entanto, o Beira-Mar revelou-se uma equipa trabalhadora. As suas linhas subiam pouco no terreno e a grande área portista era pouco mais de uma miragem. Porém, marcações praticamente homem a homem e um denso povoamento do meio-campo impediram os azuis e brancos de desenvolver o habitual jogo de toque curto.
Um rasgo de Christian Atsu, regressado à equipa após mês e meio de ausência ao serviço do Gana na Taça das Nações Africanas, permitiu ao FC Porto abrir o marcador. O ganês recebeu a bola à entrada da área, tirou as medidas à baliza e rematou cruzado de pé esquerdo. Será caso para dizer que os ares da África do Sul fizeram bem ao extremo, que apontou o primeiro golo ao serviço da equipa sénior azul e branca. Danilo, aos 41 minutos, ainda disparou rente ao poste direito da baliza aveirense.
O intervalo chegou com um FC Porto dominador, ao qual se poderia pedir um pouco mais de inspiração e, acima de tudo, uma exibição segura que garantisse os três pontos. Após 15 minutos do segundo tempo, os técnicos começaram a mexer nas equipas, com Ulisses Morais a lançar Abel Camará. Aos 65 minutos, Atsu deu o lugar a Maicon no FC Porto, com Mangala a passar para a esquerda da defesa e Alex Sandro a subir uns metros na ala esquerda.
O momento de inspiração que se pedia surgiu um minuto depois de James voltar aos relvados, após a lesão sofrida a 5 de Janeiro, na recepção ao Nacional. Danilo colocou Jackson em boa posição e este atirou a contar. Foi o 20.º golo da época do colombiano, um número que lhe permite manter uma média superior a um tento por jogo e atingir o número do melhor marcador da Liga da temporada passada.
O encontro ficou aí sentenciado, se bem que os Dragões tenham tido boas hipóteses para chegar ao terceiro golo, em remates de Moutinho e Fernando que saíram por cima. O encontro terminaria com um número patético do árbitro Carlos Xistra, que mostrou o segundo cartão amarelo a Mangala quando este discutiu uma bola no ar na área aveirense.
Fica feito o aviso: saltar alto e ser forte dá direito a amarelo. O principal, porém, estava mais do que garantido. O FC Porto é líder e quem vem atrás é que tem de correr atrás dos Dragões.


CARREGA PORTO

DECLARAÇÕES
Depois da vitória sobre o Beira-Mar, que mantém o FC Porto no topo da Liga, Vítor Pereira reconheceu que a exibição da sua equipa não foi propriamente exuberante, entendendo, no entanto, que foi segura de sobra para justificar a obtenção de mais um ou dois golos. Injustificável, segundo o treinador dos Dragões, só a expulsão de Mangala, que considerou “ridícula”.

Vítor Pereira satisfeito com a equipa
“Foi uma vitória segura. Fizemos dois golos e poderíamos ter feito mais um ou outro, sem permitir qualquer oportunidade ao adversário e mantendo-nos consistentes. Não fizemos um jogo exuberante, mas estou satisfeito com o comportamento da equipa em termos gerais. Fundamentalmente, fizemos um jogo sério. Sabíamos que era importante sair daqui com os três pontos e foi isso que fizemos. Lamento a expulsão do Mangala, porque foi ridícula, na minha opinião. Se ele tem aquela capacidade de impulsão, se a cada vez que subir um metro mais alto do que os adversários for expulso… Não pode ser penalizado por conseguir saltar mais do que os outros.”

Atsu quer dar mais
“O golo que marquei foi muito importante para a equipa e para mim também, porque foi o meu primeiro jogo depois da CAN e eu quero dar mais pelo FC Porto. Cheguei um pouco cansado e estarei bem para o próximo jogo da Liga dos Campeões.”

Sem comentários:

Enviar um comentário